Teatro-A lenda da Oferta e da Estrela

Oi gente,vocês que adoram teatro na igreja,ainda podem encenar essa peça que é muito boa e facílima de ser encenada.Eu já realizei na igreja e foi muito bom.Fica aqui miinha dica.

Personagens:

Franz ( menino entre 10 e 12 anos )
Dois homens
Duas jovens
Dois jovens
Uma adolescente
Um adolescente

Um violinista

(Todos os personagens devem se trajar elegantemente; menos Franz que devera estar vestido de bermuda e, uma camiseta velha e calçado de chinelo)


O historiador devera decorar o texto e narrá-lo com vivacidade, expressando as emoções que a historia oferece.

Cenário
  • Arrumar o cenário como se estivessem numa floresta,
  • Construir um altar onde serão depositados os presentes,
  • Providenciar uma arvore de Natal bem grande sem enfeites, para que o menino se esconda por trás da mesma
Ato único
(Ao som de musicas tocado ao violino, bem suave, a fim de que não supere sua voz, o historiador entra e começa a contar a historia estando à frente da cortina que devera estar fechada)
Historiador –Era uma vez um garoto que se chamava Franz.Morava numa choupana humilde ao lado da grande e escura floresta,numa terra distante.Franz era pobre.De fato,nunca tivera bastante comida,nem roupas,e muito menos o calor do amor humano.Existiam tão poucos momentos alegres em sua vida,mas sempre dentro da profundeza de seu coração,ele tinha uma coisa que o tornava feliz.Todo ano havia um culto de Natal quando as pessoas da aldeia iam à floresta celebrar de maneira muito especial o nascimento de Cristo.Desejavam receber de Deus uma manifestação de que as suas ofertas,trazidas com sacrifício seriam aceitas..
Franz conhecia a lenda contada tantas vezes sobre o aparecimento de uma estrela numa véspera de Natal. A estrela estava num lugar baixinho,só um pouco acima das majestosas arvores da floresta.Não era uma estrela comum,pois sua luz,que enchia todo o céu parecia uma coisa viva que pulsava semelhantemente àquela que dirigia o caminho à manjedoura onde estava o menino Jesus.O povo do vale regozijava-se com o aparecimento da estrela,pois se sentia abençoado.Mas qual não foi sua surpresa quando,tão milagrosamente como o seu aparecimento,ela sumiu,e nunca mais foi vista por homem algum.Grande foi a lamentação,e cada adorador piedoso buscava saber em seu próprio coração se a culpa estava nele,e lutava por encontrar a falta de retidão ou o pecado que poderia ter causado a perda da luz celeste.
Os anos se passaram, e o povo teve a idéia de erguer um altar na floresta, no local onde avistara a estrela, e lá os adoradores colocariam seus presentes a Cristo, com a esperança de que houvesse entre eles uma oferta tão agradável a Deus, que novamente Ele daria a esse povo o privilegio de ver a estrela maravilhosa, com sua mensagem de paz.Então,nessa véspera de Natal,como sempre,Franz contemplou,à porta de sua casa,a chegada dos fieis,levando suas ofertas ao altar.Quando a longa fila acabou de passar,o menino a seguiu silenciosamente.Chegando ao altar,ele se escondeu atrás de um pinheiro,de onde acompanhou as orações dos cultuadores.( o violino para de tocar_(As cortinas vão sendo abertas lentamente,enquanto o historiador termina de falar)
Historiador-As pessoas se ajoelharam diante do altar e cantavam suavemente. Franz ajoelhou-se no seu lugar atrás do pinheiro,mas pode ouvir os cânticos de louvor e as orações feitas pelos peregrinos.
(Enquanto o violino toca, as pessoas vão se levantando e depositando o seu presente no altar).
Dirigente – Vamos agora solenemente entregar nossos presentes. Cada um devera colocar no altar seu tesouro de maior valor,pois temos a esperança de que se um desses for aceito por Deus,novamente a estrela possa brilhar.
Um senhor- Trago aqui os frutos de minha lavoura colhidos por meus empregados, não tenho duvidas que te agradarás.
(Deposita um cesto cheio de frutas no altar, olha pro céu esperando ver o brilho da estrela, mas como este não surge, sai cabisbaixo para perto dos outros adoradores.)
Uma jovem- (leva até o altar uma caixa bem grande, num embrulho bem bonito, e o deposita. Olha para o céu e não vê a estrela, então retorna ao seu lugar.)
Uma adolescente- (vai se levantando e falando):
-Estou trazendo aqui meus bichinhos de pelúcia foram supercaros, mas é só porque desejo avistar novamente o brilho daquela estrela.
(deposita os bichinhos de pelúcia no altar já olhando para o céu e sai falando e resmungando):
_ Poxa! A estrela não brilhou.
Um jovem (vai se levantando balançando as chaves do carro)
-Eis aqui as chaves de meu carro, não foi possível trazê-lo aqui bem no meio da floresta, mas ele é todo seu.
(Retorna ao seu lugar, pois percebe a ausência do brilho da estrela)
Uma senhora – Trago aqui estes presentes, frutos de minhas próprias mãos. (Coloca no altar toalhas bordadas,cortinas)
Outro senhor-(vai ate o altar, retira a carteira do bolso e deposita algum dinheiro e retorna para o seu lugar)
Adolescente – Ah!Eu trouxe a minha guitarra. Meus amigos todos queriam comprá-la.Eu ganhei outra novinha,é linda!Ah!Bem, como eu ia dizendo,eu não a vendi,preferi trazê-la para colocá-la no altar. (Olha para o céu e sai falando)-Ih!Não foi dessa vez.
A outra senhora – Desta vez eu resolvi colher estas lindas flores do meu jardim. É bem verdade que não enfeitei minha casa,mas tudo bem,esta sendo por uma causa justa(Fala com um rizinho e sai sem graça,ajeitando os cabelos)
Outra jovem (Vai falando cheia de soberba)
-Eu posso compreender o porquê de nenhum desses presentes ter sido aceito. (Fala olhando os presentes com desprezo)É devido ao valor insignificante de cada um deles.(Vai retirando as jóias do pescoço,braços e mãos.)Mesmo somando todos eles,não se aproximaria do valor das riquíssimas jóias que aqui deposito.
(Retira-se super sem graça ao observar que a estrela não brilhou.)
Historiador-(A musica do violino para de ser tocada e observa-se um profundo silencio, se possível neste momento diminuir as luzes, colocando o ambiente escuro)
-Os adoradores olham para o céu na esperança de que a estrela maravilhosamente apresente o seu esplendor, mas observam que seus presentes não foram aceitos.
Dirigente-Nada feito, mais uma vez a estrela não apareceu!
Franz-(Quando o último presente for colocado no altar, o menino se levanta olhando ansioso para o céu à procura da estrela, e quando não a vê, se sente decepcionado, triste, e assim que o dirigente termina de falar, Franz começa a chorar)
Dirigente-(Segura Franz pelo braço e sacudindo-o rudemente fala):
-Como tiveste a coragem de interromper a cerimônia?Não sabes que nenhum olho pode assistir esse ritual senão aquele que traz sua oferta a Deus?Onde esta a sua oferta?
Franz (Fala como se estivesse chorando)
-Meu senhor, não tenho nenhum presente, pois sou pobre. Não tenho nada neste mundo que possa oferecer a Cristo,nada.
Dirigente (Mostrando-se triste com a sinceridade de Franz, fala pensativo)
-Alguma coisa precisas oferecer, não podes chegar aqui sem ao menos um presente. És pobre.Não tens nada.Hum…deixe-me ver o que podes oferecer.(Pensativo)Um presente…um presente.Ah,tu amas a Cristo?
Franz – Sim, meu senhor, eu o amo com todo o meu coração e toda a minha alma.
Dirigente-Então, meu filho, oferece-te a ti mesmo a Deus, aqui, diante do altar, diante deste grupo de adoradores. Dá o teu coração a Deus.
Franz-(O menino se ajoelha diante do altar e com muita alegria e sinceridade faz a seguinte oração):
-Nenhuma dádiva tenho eu, nada para te oferecer, nada para dar a meu Cristo, senão a minha própria vida.
Eis-me aqui, Senhor, pronto para fazer a Tua vontade. Eu te entrego estas duas mãos para o Teu serviço;estes dois pés para ir aonde quer que Tu me enviares;estes dois olhos para ver o serviço que Tu tens para mim;os meus lábios para falar do teu santo nome e anunciar em voz alta as tuas maravilhas e,é claro,para contar a outros a historia de Ti e de teu amor.
Toma a minha vida, Senhor Jesus. É tudo que tenho.
(Todos ficam em silencio até que percebem uma luz diferente. Colocar um forte foco de luz neste momento-e todos começam a falar, admirados)
Adoradores-Olhem!É a estrela!É a estrela!
(Todos os participantes olhando na mesma direção do brilho da estrela, admirados, sorrisos nos lábios, expressão de encantamento, param os movimentos como estão, enquanto o historiador termina de falar e fecham as cortinas)
Historiador-E para surpresa de todos, lá no lugar certo, brilhando como aquela na historia do primeiro Natal que gostamos de ouvir, iluminando a escuridão como uma luz celeste indescritível,estava a estrela tão almejada!Parecia ser a mesma estrela que iluminava o céu na planície onde os pastores guardavam os seus rebanhos.
Suavemente uma melodia era ouvida (violino) como se fosse a voz de anjos, e parecia que os adoradores tinham presenciado uma visitação de anjos, enquanto admiravam o esplendor da estrela.
Nem ouro nem jóias, nem riquezas incontáveis tinham causado o milagre. Foi o presente de Franz,o menino camponês,a maior oferta que se pode dar a Cristo-a dádiva da vida.
Lenda adaptada para teatro por Leila Ferreira Andrade
Fonte: Livro Programas especiais – Natal e Ano Novo-Publicação UFMBB
Pessoal,sempre trabalhei com teatro na igreja,e eu sempre digo que não existe nada difícil ou impossível de se fazer para Deus.Por isso adapte,readapte o texto,os personagens,o cenário.Use sua criatividade e nunca diga: “Não temos pessoas e nem recursos”.Apenas deixe Deus agir através de vocês

Teatro – Mãos vazias

Personagens:
Narrador:
Grito de pavo
Jesus:
Pessoas Remidas: (4 pessoas)
Jovem Apavorada:_
Diretor: Jesus está voltando! E quando isso acontecer olhará para nós, chamará nosso nome e dirá:
- Mostre-me suas mãos…
O que diremos naquele momento? Que marcas mostraremos em nossas mãos?Deus é o oleiro e de uma forma maravilhosa molda os cristãos. Ler Isaias 64:8 “Mas agora, ó Senhor, tu és nosso Pai; nós somos o barro, e tu o nosso oleiro; e todos nós obra das tuas mãos.” Narrador: A Bíblia nos diz em Mateus que “logo depois da tribulação daqueles dias, aparecerá o sol, e a lua não dará mais sua luz, as estrelas cairão do céu e os poderes dos céus serão abalados. Então todas as tribos da terra se lamentarão, e verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu com poder e grande glória. Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão.” Ao lermos este texto, ficamos realmente desejosos de saber quando Jesus voltará. Mas eu gostaria de lhe fazer uma pergunta: como está sua vida! O que você tem feito para Jesus! Gostaria que refletisse bem a respeito, pois a volta de Jesus será num dia e numa hora que ninguém sabe.

Agora imaginemos que se de repente tudo escurecesse
(apaga-se as luzes e acende um refletor em cima do narrador) e ouvíssemos uma voz dizendo….

(a pessoa responsável por esta parte entrará correndo no templo, e gritará, forte e pavorosamente, como se estivesse presenciando realmente a volta de Cristo, sem estar preparada para tal.)
Grito de Pavor – Jesus está voltando! Jesus está voltando!
Narrador – O que você teria para apresentar a Jesus! O que você faria se Ele surgisse chamando o seu nome…
(Aparece Jesus no palco, todo de branco. Sobre ele deverá ser colocado um foco de luz. Aos seus pés deverá ter um jogo de luz que iluminará cada remido que for ao seu encontro.)
Jesus – (chama pelo nome real da pessoa remida) Apresenta-se a mim, mostre-me suas mãos.

(Quando Jesus chamar, cada um deverá apresentar-se diante dEle e ouvir o que Ele tem a lhe dizer. Depois Jesus encaminhará cada pessoa, segurando-a pelas mãos, num gesto de amor. O outro lado do palco deverá ser bem iluminado, pois é o lugar onde deverão ficar todos os remidos, menos a personagem Gláucia).

Remido 1 – Mestre amado, aqui estou para as minhas mãos te mostrar. Trago marcas da seara que me deste a ceifar. Eis minhas mãos.

(Jesus acena a cabeça, em sinal de aprovação e encaminha-o ao lado do palco.)

Jesus – (dirige-se ao remido 2) Mostre-me suas mãos.
Remido 2 – Ó Mestre! Que bom ver o teu rosto,contemplar a tua face! Por tudo o que sofri, esta é a maior recompensa. Fui abandonado e traído por seguir-te. Perdi minha mãe, amigos e familiares. Trago em minhas mãos as marcas do que sofri.

Jesus – Filho, teu sofrimento não foi em vão. Muitos, através de você, conhecem a salvação. Aqui em meu reino não haverá mais dor, eu limparei de seus olhos toda lágrima. Filho meu, tão amado, eu também marquei minhas mãos em nome do amor. Entre em meu reino, receba seu galardão.

(Encaminha-o ao outro lado).

Remido 3 – Jesus, tenho vergonha de me apresentar. No entanto, sei que vais me aceitar. Sabe, eu poderia ter feito mais, muito mais! Mas fui um crente comum. Acomodei-me nos bancos da Igreja e só. Mestre, eu cantei no coral, fui algumas vezes no culto de evangelismo… mas não fiz mais nada! Perdão, Senhor. Eu poderia ter feito muito mais… Por isso trago em minhas mãos o desejo de ter feito um pouco mais.

Jesus – Amada, tantos foram iguais a você, por isso retardaram a minha volta. Muitos não podem entender por que as estrelas brilham, porque nunca olharam para o céu. E você não pode saber como é uma vida cheia de Espírito. Mas você creu em meu nome, por isso, entre no meu reino.

(Dirige-se ao lado claro, e em seguida chama o Remido 4).
Jesus – Mostre-me suas mãos.

Remido 4 – Senhor altíssimo, eu louvo a ti. Como é bom poder apresentar-me ao Senhor. Mestre, fui na terra uma luz. Teu nome foi anunciado por mim, mas tropecei, senti-me fraco na fé, abalado pelos problemas que surgiram diante de mim, mas tu foste fiel e não me abandonou. Por isso, eis minhas mãos.

Jesus – Filho, eu jamais abandono os meus. Às vezes, quando tudo está bem, sou deixado de lado, colocado em segundo plano, mas nunca abandono meus filhos. Por momentos de fraqueza todos podem passar, mas jamais se sentirão abandonados por mim. Eu, que sofri tanto por vocês, iria baní-los de mim quando mais precisavam! Não! Eu não posso entender que tenha se sentido fraco, mas foi na minha palavra que encontrou forças e através da oração pude falar ao seu coração. Entre em meu reino. Tenho um lugar para você.
(Vai para o lado que esta a luz, em seguida Jesus chama Gláucia).
Jesus — Gláucia, mostre-me suas mãos.

(neste momento Jesus procura Gláucia entre a Igreja.)
Jesus – Gláucia onde está você! Quero ver suas mãos!
Gláucia – Jesus… Eu nada posso apresentar. O Senhor voltou tão depressa, e eu não pude me preparar.

(Jesus com voz triste pronuncia algumas palavras em voz baixa, porém é interrompido por Gláucia).

Jesus – Mas Gláucia…

Gláucia – Perdão Senhor! (em desespero) Perdão, mas passei todo tempo duvidando de que o Senhor voltaria. Ouvi falar de tu nome, e um dia até levantei a mão. Mas estava muito preocupada comigo mesma. Eu não pensei que o Senhor voltaria realmente. Jesus eu acreditei, fui traída e enganada, fiz dívidas, deixei o Senhor de lado, mas… Jesus eu preciso salvar-me…Eu preciso…

(Gláucia é interrompida) .

Jesus – Gláucia, quantas vezes eu livrei você da morte, quantas vezes mostrei-lhe o caminho certo, e você não quis seguir! Quantas vezes você sorria daqueles que falavam de mim. Quantas vezes enganava-se a si mesma, dizendo que eu não voltaria. E Eu voltei! Voltei para buscar aqueles que são meus. E você, Gláucia, você… não está entre eles, por isso (fala energicamente), afaste-se de mim, você teve todo o tempo do mundo e não aproveitou. Afasta-se de mim!
Gláucia – (com muito desespero e chorando) Jesus, eu não quero morrer, eu não quero padecer na escuridão! (Imediatamente, todos refletores do palco são apagados. Jesus dirige-se para o lado onde estão os remidos. Enquanto Gláucia, permanece no escuro, murmurando. Poderá se colocado um foco de luz em Jesus, enquanto Ele se retira com os remidos.)

Gláucia – Por favor Jesus, salve-me… Eu não quero morrer! Minhas mãos…Minhas (olha para as mãos) mãos estão vazias… Jesus, Jesus, salve-me! Onde estão meus pais, meus amigos? Vocês falaram que eu sempre poderia contar com vocês! Onde estão agora? Eu estou sozinha, nunca pensei que isso poderia acontecer comigo. Só me resta a escuridão, pois estou nas trevas.

(Ouve-se uma música enquanto Jesus aparece abraçado com os remidos.)
Encerra-se com uma pequena ministração de 5 minutos no máximo sobre a volta de Jesus.

Obsevação: Foi emocionante todas as vezes que rfealizei essa peça no Ano Novo.Recomendo
Me perdoe o autor mas não me lembrei de colocar o link.Entre em contato por favor.
Fonte – Ação Jovem

TYeatro para Natal – O presente que não foi entregue

Adapatado livremente por Vilma Aparecida de Oliveira Pires
Estória contada  verbalmente por uma irmã que leu num livro destruído pelo tempo.Caso conheça o autor me avisa por favor

PERSONAGENS:
BASÍLIO
GERALDO – MENINO
GERALDO – JOVEM
GERALDO – HOMEM MADURO

Cenário

Um grupo de crianças sentadas e o narrador cantam uma musica de natal

Narrador: _Hoje quero contar a vocês a história de um menino muito pobre que se chamava Geraldo e morava numa cidade onde todos os anos as pessoas ricas davam uma festa e presenteavam as crianças pobrezinhas do lugar.Eram distribuídos roupas,calçados,muitos brinquedos e até dinheiro .
Na véspera de natal de nossa história Geraldo estava ansioso para chegar a hora dos presentes.Sua família era muito pobre e ele nunca ganhava presente no natal.Mas esse ano ele com certeza iria ganhar.O seu nome havia sido colocado na lista e ele tinha certeza que ganharia.Ele estava ansioso para que falassem o seu nome pois estava com fome e tremendo de frio.Seus pés descalços estavam entorpecidos de frio.E a demora era grande.Parecia que o seu nome era o último da lista,mas ele esperava…esperava.Quem sabe não ganhava um par de sapatos!
Ali estava também o seu amigo Jorge tão pobre quanto ele esperando pelo seu presente.Os minutos passavam e Jorge não suportando mais o frio disse ao seu amigo:
_Eu vou desistir.Não suporto mais o frio.Se ficar aqui sem agasalho como estou vou morrer de frio.Mas se disserem o meu nome, você Geraldo pegue o meu presente e depois me entregue.E dizendo isso foi embora sem muita esperança de que se lembrassem dele.
Pouco depois a pessoa responsável pela entrega dos presentes gritou:
_Geraldo Delamar!E logo a seguir:Jorge…Jorge Cristie!
Geraldo correu cheio de alegria e pegou o seu presente agradecendo.
Mais uma vez o nome de Jorge foi chamado e Geraldo contou então que ele fora embora por não suportar o frio,mas que ele Geraldo podia entregar o presente de Jorge.E assim Geraldo pegou também o presente de Jorge.

(Aparece no palco um menino maltrapilho e descalço com dois embrulhos pequenos exatamente iguais.)

Geraldo_Um para mim e outro para Jorge.São tão pequenos ( diz desapontado). E eu que esperava ganhar pelo menos um par de sapatos este ano.

( Geraldo abre o embrulho e fica surpreso com o que vê..Dentro do embrulho havia um cheque de R$100.000,00 reais)

Geraldo _Estou sonhando!Quanto dinheiro!Será que é meu mesmo? ( Examina o papel e o cartão com seu nome) Sim!é meu nome Geraldo Delamar.Meu Deus!Que felicidade!Nunca mais passarei necessidades.Não terei fome,nem frio.Poderei ter roupas novas , um agasalho para me proteger do frio e sapatos!Eu terei uma nova vida.Poderei até estudar!Que felicidade!

( Examina o outro embrulho )

Geraldo _ Esse é o presente de Jorge.O que será que tem aqui.Não eu não vou olhar para ver o que é.Amanhã eu irei em sua casa e entregarei para ele.Mas com certeza o melhor presente da festa foi o meu.Que bom saber que alguém me amou tanto assim para mudar a minha vida com esse presente!Amanhã ou outro dia eu procurarei o Jorge para lhe dar seu presente.
( Geraldo daí de cena beijando o seu cheque )

Narrador
Alguns anos se passaram.Geraldo tinha se transformado num rapaz bonito e sorridente..Estava sempre bem vestido e morava em uma casa confortável.Nunca mais passou fome ou frio.Sua vida em nada se parecia com a de alguns anos atrás.O tempo passava e Geraldo nunca tinha tempo para entregar o presente de Jorge.
Alguns anos mais tarde nós o encontramos novamente numa véspera de natal

( Geraldo aparece bem vestido e feliz.Ajeita sua roupa e fala: )

Geraldo _ Mas um natal!É, e pensar que há alguns anos atrás ,numa véspera de natal, eu estava quase morto de tanto frio e fome querendo ganhar de presente um simples par de sapatos.( Olha para suas roupas e sorri )
Nunca me esquecerei daquele presente que recebi naquela véspera de natal.Que presente maravilhoso.Mudou a minha vida.Eu era um pobre miserável e agora sou um outro homem.Mas tem uma coisa que me incomoda,eu ainda não entreguei o presente de Jorge.Quanto mais o tempo passa mais difícil se torna para mim.Pobre Jorge!Espero que sua vida esteja melhor agora ( Sai de cena )

Narrador _Muitos anos se passaram.Geraldo já é um homem feito.Se casou,teve filhos.Tem um bom emprego,muitos amigos.É um homem realizado.Quase nem se lembra mais de sua vida miserável quando criança.

( Geraldo entra carregando uma Bíblia )

Geraldo _Espero que o culto de natal não demore muito essa noite.A minha família e os meus amigos me esperam para a ceia de natal e não quero faze-los esperar demais.Será que comprei presentes para todos?
( Geraldo faz gesto como se lembrasse de alguma coisa ). Puxa vida!Me lembrei do presente que guardei para entregar o Jorge.Ele está comigo há tantos anos.Ah!O Jorge nem sabe que eu estou com o presente dele… deve ser algo sem importância.Eu não preciso me preocupar com isso..Eu não o abri nem por curiosidade e ninguém pode me acusar de nada.Sou um bom crente.Freqüento a igreja e cumpro os meus deveres de cristão.É…eu não cometi nenhum pecado.

( Entra Basílio com a cabeça baixa e triste )

Geraldo _Que houve com você Basílio?Está tão triste!Esqueceu que hoje é véspera de natal?Hoje é dia de alegria,vamos se anime.

Basílio _Sim meu amigo,eu estou muito triste.Eu acabei de ver uma cena que me deixou chocado .

Geraldo _Mas me conta.O que você viu que te deixou tão triste?

Basílio _Eu acabei de ver um homem todo maltrapilho que pedia esmolas na rua ,desmaiar de tão fraco que estava, e bater com a cabeça numa pedra.O pobre coitado morreu na hora.

Geraldo _Que coisa triste!Se ele tivesse amigos que o ajudassem,não teria chegado a esse estado.Você sabe quem é?
Basílio _Algumas pessoas que viram o acidente disseram que se chamava Jorge…Jorge Cristie

( Geraldo se assusta ao ouvir aquele nome )

Geraldo _Meu Deus!Não é possível!

Basílio _O que foi Geraldo?Você o conhecia?

( Geraldo de cabeça baixa responde )

Geraldo _Sim, eu o conhecia.Éramos amigos de infância.

Basílio _Sinto muito Geraldo.

Geraldo _Eu é que sinto muito.Há muitos anos eu trago comigo esse embrulho para entregar a ele,e nunca entreguei.Nem sei o que é. ( Entrega o embrulho para Basílio e diz )

Geraldo _Por favor abra Basílio. ( Basílio abre o envelope e diz respirando fundo )

Basílio _Veja Geraldo!Aqui tem um cheque de R$100.000.00 igual ao que você ganhou naquele natal.Você estava com a vida dele em suas mãos e podia tê-lo salvado,mas não fez nada.Agora você terá que viver com essa culpa em sua consciência.Ele poderia estar tão feliz como você esta com sua nova vida se não fosse por sua omissão .Você foi egoísta e deixou que ele morresse sem saber que havia um presente tão valioso para ser entregue a ele.
( Geraldo abaixa a cabeça e sai do palco vagarosamente.Basílio também sai o olhando com desprezo )

Narrador

Antes que você condene a Geraldo por sua atitude egoísta ,quero lhe falar de uma outra história acontecida há mais de 2.000 anos atrás.Numa noite estrelada, numa simples estrebaria nascia Jesus o Filho de Deus.Ele nasceu ,viveu e morreu derramando o seu sangue numa cruz para que você que esta aqui nessa noite fosse reconciliado com Deus.Todos nós estávamos separados de Deus por causa do pecado,mas Jesus deu a sua vida como um presente de inestimável valor para que você tivesse nova vida.
Mas existem muitas outras vidas como Jorge que ainda não receberam esse presente,e é sua responsabilidade levar esse presente que é Jesus até eles.
O que tens feito com esse presente?Tens guardado só para si?Tens feito como Geraldo acreditando que ele fosse o único merecedor de tal presente?
Muitos nessa época a exemplo de Geraldo se preocupam com os presentes,com a ceia farta e se esquecem do aniversariante.
É tempo de alegria,tempo de gratidão.Tempo de compartilharmos esse presente valioso com aqueles que estão morrendo sem conhecer esse Deus amoroso que tanto nos amou.
Geraldo achou que para ser um bom cristão bastava freqüentar a Igreja,entregar o dízimo,mas se esqueceu do que Jesus disse antes de subir aos céus:”Ide por todo mundo e pregai o Evangelho a toda criatura…”
A Bíblia diz que se não avisarmos o ímpio acerca de seu mau caminho ,a fim de salvar a sua vida,aquele ímpio morrerá mas o seu sangue Deus requererá de nossas mãos.
Seja agradecido e compartilhe a salvação.Jesus morreu não somente para alguns,mas pelo mundo inteiro.
E você…ainda não recebeu esse presente?Então abra seu coração nessa noite e receba uma nova vida através de Jesus.

 
Encenei na igreja em época de Naral e  foi muito bom

Teatro – O melhor presente

VERSÍCULO-CHAVE – 1Ts 5.18
TITA: Que dia lindo!
BIDU: Olá, Titã, tudo bem?
TITA: Tudo, e com você?
BIDU: Comigo vai tudo mal!
TITA: Tudo mal?! Por que, Bidu?
BIDU: Hoje é o Dia das Crianças, e eu gostaria de ganhar um presentão, mas ganhei um presentinho.
TITA: Deixe de ser ingrato, você deve agradecer a Deus, porque você ganhou presente. Eu não ganhei nenhum e nem por isso estou reclamando.
BIDU: Sabe o que é, Titã, no ano passado teve um festão na minha rua e o dono da festa falou que quem colocasse o sapato na janela,ele iria colocar um presente. Então coloquei o sapato do meu pai
para ganhar um presentão e ganhei uma loção de barba!
TITA: Ah1 Ah! Ah! É por isso que você sempre se dá mal. Você enganou a si mesmo . Ah! Ah! Ah! Ora, Bidu, você não sabe agradecer, está sempre insatisfeito, reclamando de tudo e ainda por cima é egoísta.
BIDU: Egoísta, eeeuuuuu?!
TITA: É egoísta, egoísta mesmo. Está sempre pensando em você e não consegue pensar porque seus pais não puderam lhe dar um presente melhor. A minha mãe me deu um gostoso beijo e um abração.
BIDU: Só isso?
TITA: E eu acho melhor que tudo. E depois ela me falou de um presente que o pai de todo mundo quer nos dar. Ele é o melhor de todos.
BIDU: Oba! Como eu faço para encontrar esse pai de todo mundo e ganhar esse presente, hein?!
TITA: Você pode aceitar esse presente ou não.
BIDU: Ah! Então não deve ser bom, se fosse bom eu não precisaria recusar.
TITA: Bidu, tem muita gente que não quer, mas não sabe o que está perdendo!
BIDU: E o que elas podem estar perdendo?
TITA: A salvação!
BIDU: Salvação?
TITA: Vou explicar. Essa pessoa é o dono de tudo, de todo ouro, de toda prata e de toda espécie de pedras preciosas que existe na terra.
BIDU: Puxa! Então ele é muito rico e pode me dar um presente bem grande.
TITA: Você só pensa nisso, Bidu. As pessoas precisam pagar para nos dar um presente. Isso não significa ter o presente que quiserem. Mas aquela pessoa no dá um presente de graça, não precisa pagar.
BIDU: É mesmo?! E quem é essa pessoa? Quem é? Quem é?
TITA: É Jesus, e quando nós e aceitamos, reconhecemos que Ele é o nosso Salvador, e que só ele perdoa os nossos pecados. Então, ele passa a ser o nosso melhor presente.
BIDU: Ah! Eu não quero uma pessoa, Titã, eu quero um presente.
TITA: Mas é o nosso maior presente. Deus deu o seu único filho pra morrer por nós, para que fôssemos salvos. Ele está preparando um lugar no céu para os que quiserem aceita-lo. O céu é um lugar especial, onde vamos vê-lo face a face, ficar pertinho dEle. Bidu, você daria o seu filho para morrer pelo mundo?
BIDU: Eu hein, Titã! Você ta doida?
TITA: Será que Jesus também deveria estar doido quando morreu na cruz por você, um menino egoísta e mau?
BIDU: Eeeuuuuu, você acha, é?
TITA: Acho!
BIDU: Sabe de uma coisa… (CHORA) você tem razão, eu não passo de um menino mau. O meu pai está desempregado, e ele faz u esforção para me dar esse presentinho com tanto carinho, e eu tão mau que sou ainda fiz malcriação. Coitadinhos dos meus pais! (CONTINUA CHORANDO) Eu nunca sei me conformar com o que podem me dar. Estou sempre deixando-os tristes. Sabe, Titã?
(CHORA)
TITA: O que é, Bidu?
BIDU: Eu não sou merecedor de entrar lá, naquele lindo lugar, e nem mereço nenhum presente!
TITA: Não é assim também, Bidu. Agora você está arrependido e sabe que Jesus pode perdoar os pecados. É só pedir perdão aos seus pais e a Deus, para que seus pecados sejam perdoados, e
Jesus será o seu melhor presente!
BIDU: Obrigada por ter me ensinado tudo isso e que Jesus é o nosso melhor presente.
TITA: Bidu, vou cantar uma canção para você. É assim:
Eu tenho um tesouro
Eu tenho sim
Eu tenho um tesouro

Dentro de mim

Esse tesouro tem muito valor
Esse tesouro é Jesus Cristo
Meu Salvador
TITA: Aprenderam, crianças? Então, se vocês acham que Jesus é o melhor presente, cantem também. (CONVIDÁ-LAS A CANTAR)
FIM.

A mãe de todos os dias

·                        Pequeno relato de uma vida diária.
Uma mãe que cuida da casa, as filhas que não querem se envolver com as coisas da casa.
A mãe que se entristece com a incompreensão.
O desafio a mudança de atitude a partir do momento das homenagens.
Cenário: uma sala e uma cozinha
Personagens: Mãe e duas filhas(Daniela e Fernanda)
Objetivo: Mostrar ao filhos que não é só nos dia das mães que a mãe tem que ser amada.
Este texto está na web, com vários títulos diferentes, as vezes sem título nenhum…
NARRADOR: É muito fácil em uma data como esta, os filhos falarem palavras doces, de carinho para nossas queridas mães.
Esta, que um dia nos colocou no mundo, esperou por 9 meses, com paciência, com muito amor, e nos ajuda sempre.
Está sempre ao nosso lado. Mas, o que realmente importa a cada uma das mães, não é apenas uma programação bonita, nosso carinho, presentes neste dia, mas sim, em casa, vivermos o que estamos falando neste programa especial, dedicado com muito amor a você que é mãe.
(A mãe está em cena, preparando o almoço, pois suas filhas estão para chegar)
MÃE: Nossa! Já está quase na hora das meninas chegarem.
DANIELA: Oi mãe! Ai que fome. O que tem de gostoso?
MÃE: Olha eu fiz isso, não tinha mistura e o seu pai não deixou dinheiro.
(Daniela faz careta, sem que a mãe perceba e senta-se para comer, logo após chega a Fernanda)
FERNANDA: Mãe, você sabe que eu não gosto disso. Não tem nada? Que saco! Chego em casa com fome e olha o que tem. (fala brava).
NARRADOR: Mal sabiam as filhas a angústia que sua mãe estava por saber que aquela refeição preparada com amor, não agradaria suas filhas, pois cada mãe sabe o que cada filho gosta, do jeito que gosta.
(As filhas antes de voltarem ao trabalho, assistem um pouco de televisão, dando uma leve bagunçada na casa).
FERNANDA: Mãe, tchau, está na minha hora.
DANIELA: Espera eu, vou com você, terei de entrar mais cedo hoje, tchau mãe.
MÃE: Nossa, vou ter que ir ao mercado comprar algumas coisas.
NARRADOR: A mãe então sai para fazer comprar para a casa, e demora um pouquinho, porque todos aqui sabem o que é ir em um mercado, não é?!
(A mãe chega em casa com algumas sacolas, olha para a casa bagunçada e diz):
MÃE: Que bagunça! Deixa eu começar, né?!
(Chegam as filhas do serviço)
DANIELA: Ai que canseira, trabalhei até. (ela liga a televisão, enquanto entra a Fernanda).
FERNANDA: Já começou a novela?
DANIELA: Já, começou agora.
(As duas sentam na sala)
NARRADOR: Enquanto sua mãe está na cozinha limpando, pois teve um dia muito corrido e devido a isso a casa ainda não estava limpa.
MÃE: Venham me ajudar. Tem um monte de coisas para fazer, tive que sair hoje, vem me ajudar.
FERNANDA: Ah mãe, estou assistindo, estou cansada, espera um pouco.
DANIELA: A casa esta do mesmo jeito da hora do almoço mãe, ninguém fez nada e agora você fica enchendo, depois nós vamos.
NARRADOR: A mãe mais uma vez foi humilhada por suas filhas e chora ao travesseiro calada.
Filhas estas que dizem que a amam, que ela é tudo, mas no dia a dia são isso que acabamos de ver, e não percebem a tristeza que causam a sua mãe.
E você? Que tipo de filho está sendo? Talvez não seja este o seu problema, mas qual é o seu problema? Você está sendo aquilo que Deus e sua mãe esperam de você?
Quanto tempo vai esperar para amar de verdade a sua mãe? Quando perdê-la? Pois sabemos que nada neste mundo é para sempre e eterno.
Vamos então amá-las enquanto há vida, pois o amanhã pode ser tarde demais.

Moldando os filhos

Três mulheres moldando seus filhos de formas diferentes desde o batismo, passando pela infância, adolescência, juventude e idade adulta, mostrando o “resultado” da educação dada a cada uma deles.
A polêmica: Numa “cultura” de deixar os filhos decidirem tudo, os pais são reféns das vontades dos filhos… Esta peça fala de uma responsabilidade de ensinar o caminho que o filho deve andar.

Personagens: Narrador, 3 mulheres.
Tempo aproximado: 30 a 40 minutos
Tema: Moldados por Deus – educando dos filhos

Três mulheres posicionadas, de costas. Cada uma com um tijolo de barro para moldar.

NARRADOR: MOTIVO é aquilo que faz mover; é o motor que faz algo funcionar; aquilo que causa ou determina alguma coisa. Então o motivo para fazermos algo é o que nos empurra para a ação. Então podemos dizer que temos uma MOTIVAÇÃO, ou seja, um motivo porque fazer determinada coisa.
O cristão conta com os argumentos da Palavra de Cristo e a ação do Espírito Santo como agente de motivação para a prática da fé e o entusiasmo de viver.
Falamos em MOTIVAR, e como será que motivamos nossos filhos? Qual o motivo que passamos para eles e que os move nesta vida aqui?
A primeira atitude que temos após o nascimento dos filhos, é batizá-lo. Mas qual será o motivo pelo qual as pessoas batizam seus filhos?

MÃE 1: vai até a pia batismal, onde está o pastor para fazer o batizado da criança. Enquanto vai falando.

MÃE 1: Para batizar meu filho, tive que perder uma hora ontem e fazer o curso de batizado. Mas, (levanta o filho ) ele está lindo, né. Olha só como chupa o bico. E eu ( começa a ajeitar a roupa), será que estou bem?

Chegando a pia batismal, começa a sorrir e alguém tira fotos. A mãe somente faz poses com seu filho. Até o pastor pedir:

Pastor –

Então a mãe meio de sobressalto.

MÃE 1: Ah. Sim. Sim.

Então volta para sua posição, e fica virada para o público, com o bebê no colo.

A MÃE 2 aproxima-se da pia batismal.

MÃE 2: Este é um momento muito especial em minha vida e de meu filho. Pois hoje estou levando ele para nascer novamente. Irá nascer para DEUS, como filho de DEUS.

Posiciona-se frente a pia. Vivendo todas as palavras do Pastor.

Pastor –

MÃE 2: Sim. Com o auxílio de DEUS.

Volta e posiciona-se, conforme MÃE 1: .

MÃE 3 vi até a pia.

MÃE 3: Momento maravilhoso este. Meu filho será batizado. Estou até emocionada e nervosa. O pastor, no curso batismal falou algumas coisas pesadas, que devemos fazer, mas ele tem que ver o tempo que se tem pra tudo isto.

Posiciona-se frente a pia. Olha para o Pastor, olha para o lado (meio termo, entre MÃE ! e MÃE 3).

Pastor –

MÃE 3: Sim.

Volta e posiciona-se, conforme MÃE 1: e M2.

NARRADOR: Quando motivamos, mostramos o motivo porque algo deve ser feito, estramos moldando um ser, ou alguma coisa. Portanto, agora vamos começar a moldar nossos pequenos vasos. Começaram a s dúvidas. Olho para um lado, olho para o outro lado. Busco aconselhamento em livros, jornais, pessoas que estudam o ser humano. Vejo que tenho de moldar este pequeno ser à minha frente. Então começo. Como serão as formas de moldar praticadas?

(MÃE 1: vira-se para o público, com as mãos sujas pelo barro que está moldando, e, ainda com um pedaço de barro na mão, continua a moldar uma parte enquanto fala. Assim também as demais. Quando terminadas as falas, viram-se de costas, e continuam moldando seus filhos)

MÃE 1: Este período é maravilhoso. Apesar de trabalhar muito, consigo um tempinho para meu filho. Então saímos. Levo-o para brincar. Com 3 anos já o matriculei no colégio, então ele tem companhia para brincar, desenvolvem várias atividades. Nas datas especiais, apresentam algo para nós. Também leio para ele. Histórias tradicionais infantis. Agora com 4 para cinco anos, vejo o quanto a leitura o incentiva e desenvolve.

MÃE 2: Agradeço à DEUS o filho que me deu. Quando vejo esta pequena criatura à minha frente, sinto a responsabilidade pois DEUS confiou este pequeno ser à mim, pobre pecadora, e sei que um dia me pedirá contas, de como o moldei. Hoje, fizemos muitas coisas juntos, oramos, lemos histórias diversas, principalmente histórias que falam de quanto DEUS o ama. O que ele mais espera são os momentos de culto, por causa da Escola Bíblica Infantil. Aos 4 anos já começou a frequentar o coralzinho. Junto com isto tudo também começou a ir no colégio.

MÃE 3: Nesta etapa nosso tempo fica reduzido a nada. É trabalho, e devemos tirar um tempo para nossos filhos. Isto é difícil, porém possível. Levo-o ao colégio, e quando dá, aos sábados vamos lá na Igreja, no coralzinho. Nos cultos, quando não estamos muito cansados, vamos também, então ele vai à Escola Bíblica Infantil. Ele gosta muito, porém todos fins de semana não é possível ir aos cultos, somente por quê ele quer ir na Escola Bíblica Infantil. Acredito que um pouco de cada coisa está bom para ele.

NARRADOR: E eles crescem. Então chega-se a idade dos 5 aos 10 anos. Aumentam as atividades dos mesmos. Como administrar este período? O que fazer? E então continuamos a moldá-los.

MÃE 3: Neste período aumenta nosso corre-corre. As atividades na escola aumentam, pois junto já são oferecidas outras atividades ( música, dança, línguas, e outras ). Como também começam atividades fora do colégio, como participações em grupos culturais (CTG, escoteiros mirins, e outros), além das atividades que são oferecidas na Igreja. É demais, estes pobres coitados não aguentam Então procedi da seguinte forma. Colégio, não tem como tirarmos, pois senão irão virar uns burros. As atividades no colégio também não dá para proibir, pois senão se sentirão excluídos. Atividades externas, mandei escolher entre as atividades na Igreja e outras por fora, pois as duas não eram possível, pois também precisa de tempo para brincar, para ser criança. Então ele optou por atividades fora da Igreja. E quando vamos ao culto ele participa da Escola Bíblica Infantil.

MÃE 1: Acho fantástica esta etapa. Escola, dança, música. É tão lindo ver eles na época do carnaval irem fantasiados para a aula, e então ainda tem o carnaval infantil. Procuro sempre levar meu filho em todas atividades, e estar com ele lá, pois acho isto muito importante. E então vem o halloween, e eles vestidos de bruxinhos, e no curso de inglês que ele vai, eles saem de casa em casa pedindo: “ um doce, ou uma travessura”. Que idade maravilhosa, com tantas coisas a fazer e aproveitar.

MÃE 2: As crianças crescem, e minhas responsabilidades, problemas e também alegrias crescem juntos. Vejo o mundo oferecer muitas coisas ao meu filho, tentando mostrar à ele como elas são importantes, mais importantes que as coisas de DEUS. Porém, mesmo diante disto, continuo sempre a juntar minhas mãos com meu filho, e orar, para que DEUS sempre nos torne fortes, para ficarmos juntinhos dEle. E falo sempre para meu filho de como é importante estarmos na companhia de Jesus. Diante de qualquer atividade que eu ou ele tenha, procuro sempre mostrar, e viver, que o mais importante é procuramos atividades que nos aproximem de DEUS, e onde as encontramos é na Igreja, e este é o ambiente que quero ver meu filho crescer, pois como diz em provérbios: “ Ensina a criança no caminho em que deve andar e ainda quando velho, não se desviará dele”.

NARRADOR: Passamos pela infância. Chegamos a adolescência. E agora???? Como vamos proceder???? Como será que está nosso molde para enfrentar esta fase de sua vida??
Como vamos moldá-lo na sua adolescência?

MÃE 2: A idade da divisão. A idade em que eles são o maior alvo do mundo. A idade em que o mundo quer tomar o papel que a nós foi confiado por DEUS. Mas, com muito amor, pois vejo, que agora meu amor tem que ser dobrado, e, ás vezes, triplicado, bem como minhas orações pelo meu filho, ainda continuo a falar-lhe as mesmas palavras que falei até aqui. E não só falar, mas mostrar ao meu filho que o único caminho da verdadeira felicidade é DEUS. Passamos por muitas rusgas, normais nesta fase, porém sempre firme, volta a falar-lhe de DEUS, do amor de DEUS por ele. Também estão na fase do “cansados’, para tudo, principalmente para ir aos cultos, então, novamente, é dedicado um tempo à uma longa conversa com meu filho, geralmente são quatro conversas por mês, onde procuro fazê-lo ver tudo que DEUS lhe dá, a certeza da salvação, sua saúde, inteligência, (sua família, que além de incomodá-lo, o ama demais), e também os bens matérias, a casa que o abriga, a comida, as roupas; que tudo isto são bênçãos derramadas por DEUS. Vejo que nem tudo ele consegue aceitar, mas lá vamos nós ao culto, e quando ele retorna, vê que não foi tão ruim assim.
Até hoje tenho que insistir, ou até obrigar, para ele ter uma organização pessoal, então, porquê não insistir, ou até obrigar para ele ir aos cultos??? Pois o caminho que ele irá seguir hoje, provavelmente é o que ele seguirá amanhã, pois este é a caminho conhecido por ele, onde ele estará seguro.

MÃE 1: Idade em que já estão querendo adquirir um pouco de sua liberdade. Os estudos os massacram, pois devem estar preparadas para um futuro bem próximo, para serem bons profissionais, e assim, terem um bom trabalho. Porém também tem o direito de se divertirem. Lá pelos 14 anos, já estão querendo experimentar as noites, matar suas curiosidades. Eu o deixo ir, não sem limites. Dou um horário, 1 ou 2 da manhã, para retornar. Todos vão, não sou eu que vou deixá-lo fora de uma diversão. Não tem nada de mal nisto, ele é um adolescente e deve viver como tal, como todos adolescentes fazem por aí. Olha a festa do ridículo. Muito legal. Meu filho naquela roupa, foi um sarro. Ele se divertiu muito, depois, foi dormir na casa de um amigo. Eles precisam disso.

MÃE 3: Idade difícil. Os estudos exigem demais de meu filho. Se envolveu com um pessoal na juventude da Igreja, e entrou no conjunto musical dos jovens. Além disto, tem seus envolvimentos fora disto. Isto tudo o está sobrecarregando. Suas notas começaram a baixar, e feio. Então tive que pedir para abandonar o grupo da Igreja, pois ele precisa estudar mais, e é muita atividade. Depois quando melhorar ele retorna. Tem tempo para tudo, e agora neste momento ele tem que pensar em seus estudos, pois é muito dinheiro investido em estudos para deixar passar assim.

NARRADOR: Diante de tudo isto colocado. Como será que estão nossos moldes de filhos ???
Então chegamos à fase jovem, classificada mais o menos entre os 17 e 21 anos. Será que moldamos nosso filhos de tal forma que estarão preparados para mais esta fase decisiva de suas vidas ?

MÃE 1: Não sei o que está acontecendo, meu filho anda com umas companhias meio esquisitas. Vestem-se e agem de uma forma estranha. Meu filho também já está assim. Não consigo conversar com ele. Parece que para ele não existo. Quando tentamos conversar, geralmente termina em briga, e briga feia. Vejo esta idade ser muito importante para ele, pois deve buscar uma faculdade. Claro, deve continuar se divertindo, mas como fazia antes, porém precisa olhar para a frente.

MÃE 2: Existem muitas coisas importantes acontecendo na vida de meu filho nesta idade. É o trabalho, são os estudos, e até o namoro. Porém, ainda continuo a dizer as mesmas palavras que há 18, 19 ou 20 anos atrás lhe dizia. Que tudo que fizermos em nossa vida deve ser abençoado por DEUS, pois então será verdadeiro e terá êxito, e que em toda vida, ele, meu filho, sempre deve ter DEUS consigo, e isto somente é possível através do alimento espiritual, ou seja: a leitura Bíblica, frequentar e ´participar dos cultos, bem como sempre colocarmos tudo em oração, então estará preparado para bons e maus momentos em sua vida. Ainda hoje, muitas vezes, me vejo alertando-o sobre a oração, as leituras bíblicas, e ainda, umas duas vezes por mês, temos que ter aquela conversa antes dos cultos. Porém, sei jamais, independente da idade de meu filho, deixarei de ser mãe, portanto jamais terminará minha a responsabilidade que DEUS atribuiu a mim, de devolver, um dia meu filho em suas mãos.

MÃE 3: Como sofrem nossos filhos nesta idade. É trabalho, colégio. Não tem mais um fim de semana livre. Os trabalhos da faculdade utilizam quase todo seu espaço vago aos fins de semana, porém precisa aproveitar agora, este momento. A semana passada consegui uma a brechinha para se divertir um pouco. Domingo de manhã, hora do culto, quando vou, tenho pena de acordá-lo. Ele está tão cansado. Coitado, faz uns dois meses que não consegue ir à um culto. É mas, é somente uns cinco anos, depois que terminar a faculdade, vai ter mais tempo, e então poderá ir mais à Igreja. Acho que cada coisa a seu tempo.

NARRADOR: Passadas estas fases. A infância, adolescência e juventude, acreditamos ter formado nossos filhos para enfrentaremos sozinhos sua vida. Vamos ver o molde de filhos que colocamos no mundo.

(MÃE 2: Vira-se e mostra seu molde. ( ver a forma que se “filho” terá))

NARRADOR: Lindo molde. Um filho motivado para o trabalho. Será um bom profissional, irá longe. Não sabemos que tipo de atitudes terá opara chegar ao topo, onde quer. Em sua cabeça o que importa, não é ser e sim poder. Creio que temos um molde egoísta e ganancioso.
A motivação repassada durante toda sua vida foi somente material.

(MÃE 1: Vira-se e mostra seu molde. ( ver a forma que se “filho” terá))

NARRADOR: Bah. Mas o que aconteceu com este? Que tipo de motivação recebeu? Este está pronto para juntar-se ao mundo consumista de drogas, fumo e bebidas. E depois???? Só DEUS sabe.

(MÃE 3: Vira-se e mostra seu molde. ( ver a forma que se “filho” terá))

MÃE 3: Este é um filho motivado no amor de DEUS. Portanto vemos um molde feito nos mínimos detalhes, não deixando nem um detalhe de lado. Este terá em sua vida:
- mais segurança;
- mais senso de justiça;
- maior auto estima;
- terá valores com base muito firme;
- será mais solidário e flexível;
- suportará melhor os sofrimentos da vida;
- será pacifista em casos de atritos;
- terá respeito e bondade;
- como também estará motivado ao trabalho de DEUS.

Que tipo de filho você moldou ou está moldando? A o que você está motivando seu filho? Que tipo de atitudes ? A ir para qual caminho ? Qualquer um serve ? Se DEUS levasse seu filho gora, neste instante, você o moldou, de tal forma, que DEUS irá acolhê-lo em seu reino? Ou, ainda tem tempo????

Você pode, com a ajuda de DEUS, quebrar seu molde, agora, e começar a moldá-lo novamente. Peça à DEUS, e ele a ajudará.

http://www.teatrocristao.net

Teatro – Mãe segundo o coração de Deus

Autoria: Vilma Aparecida de Oliveira Pires

Personagens:
Mulher(Mãe) grávida
Mulher(Mãe) com bebê
Menino 5/6 anos
Adolescente
Mulher(Mãe) mais velha
Jovem adulto
Fundo musical (Entra personagem grávida fazendo tricô)
Narrador : Mãe!Sinônimo de fortaleza,ternura e abnegação.Dizem que ser mãe é padecer no paraíso,mas vejam a mãe que acaricia o ventre onde traz o filho que tanto espera.Ela prepara com carinho o enxoval do bebe e o bercinho onde ele vai dormir,enquanto sonha imaginando a carinha que ele vai ter.Sera menino ou menina?Com quem vai se parecer?Vou saber cuidar dele?Essas são perguntas que ela se faz enquanto o espera nascer.

Fundo musical ( Mãe grávida sai)

Narrador: A mulher sábia buscara na Palavra de Deus as orientações que precisar para criar o seu filho nos caminhos do Senhor.Ela sabe que pode contar com Deus que a sustentara em todos os momentos.Sendo sábia entregará seu filho aos cuidados de Deus e descansará pois conhece a fidelidade de Deus.
Narrador: “Instrui o menino no caminho em que deve andar e até quando crescer não se desviará dele.”
Fundo musical (Entra mãe trazendo o bebe no colo)

Narrador: Finalmente seu filho nasceu!Ela está radiante com seu filho nos braços..Ela passará muitas noites sem dormir.Seu filho irá chorar com cólicas,porque está molhado,com fome e as vezes porque tem necessidade do aconchego dos braços da mãe.Serão muitas tarefas daqui em diante.É a casa que precisa ser limpa,o marido a exigir atenção,o bebe que quer o colo…enfim,quando chegar a noite ela estará exausta.

Mas quando essa mãe fortaleza olha para sua cria a dormir no berço,um sorriso de felicidade se lhe aflora nos lábios.Ali está seu filho,um pedacinho de seu coração,um presente de Deus.

Ela olha para o filho pequenino tão indefeso e dependente e não consegue esconder sua preocupação com o futuro dessa criança.

Fundo musical ( personagem sai)

Narrador: Com o tempo essa mãe irá aprender que somente através de uma vida de oração e estudo da Palavra de Deus,e algumas vezes derramando lágrimas aos pés do Senhor,é que ela conseguirá vencer as dificuldades para criar o filho.

“Aquele que poupa a vara aborrece seu filho,mas quem o ama a seu tempo o castiga”.

Fundo musical ( entra personagem segurando uma criança chorando,dando birra,a coloca de castigo,depois pega a Bíblia lê e ora)

Fundo musical (sai de cena mãe e filho)

Narrador: Ser mãe muitas vezes não é tarefa fácil.Ela terá que ser firme,E se necessário até usar a vara como disciplina para não perder o controle de seu filho.

Fundo musical (entra mãe com Bíblia na mão se senta e começa a ler.A seguir entra adolescente )

Adolescente: -To indo ao shopping com a turma mãe.

Mãe: -Que turma meu filho?

Adolescente: -Ah,mãe,lá vem você querendo controlar minha vida,eu já cresci poxa!

Mãe: -Não é nada disso meu filho,eu apenas quero saber quem são seus amigos.

Adolescente: Você não conhece mãe,vou indo,to atrasado e sai rapidamente

Mãe: -Espera meu filho,você vai demorar?

Fica sem resposta.Abaixa a cabeça e faz como se estivesse orando depois sai de cena.

Narrador: Adolescência!Nessa fase a mãe se transforma em um pára-raios.O pai fica fora todo o dia e não tem muito tempo para estar com o filho e cobra da esposa o procedimento do filho.Mas ela sendo mulher de fibra aprende a contornar todas as coisas,e se transforma em uma pacificadora.Ela é incansável na busca do melhor para o filho.

Não raras vezes ela chora sozinha com o peso de sua responsabilidade,mas ela sabe que haverá um tempo para se regozijar quando ver seu filho um homem de bem.

“E vós pais não provoqueis a ira de seus filhos,mas cria-os na disciplina e admoestação do Senhor”.

Fundo musical ( entra personagem mãe envelhecida e senta no sofá.Folhea uma revista mas cansada adormece.O filho chega e ela aliviada agradece a Deus)

Mãe: -Obrigada Senhor!(Sai de cena)

Narrador: O filho cresceu e se tornou um homem,mas ela ainda se preocupa com ele.Lá fora no mundo existem muitos perigos para o filho; as drogas,a violência,os maus amigos e outras coisas que podem tirar seu filho dos caminhos do Senhor…Mas ela é perseverante e continua orando para que Deus continue protegendo seu filho.

Fundo musical ( entra personagem mãe bem vestida e ajeita a gravata de seu filho que esta se casando)

Narrador: Hoje ela esta radiante.Seu filho cresceu, se,tem um bom emprego e agora esta se casando.Ela venceu!Cumpriu bem sua tarefa.Agora e o tempo de regozijar-se com suas vitorias.Ela agradecida glorifica o nome do Senhor.

O personagem filho sai.A mãe se ajoelha e agradece a Deus numa oração.

Narrador: “Mulher virtuosa,quem a achará?O seu valor excede o de finas jóias.”

A caminhada foi difícil,as pedras no caminho lhe machucaram.Hoje ela traz no rosto as marcas das noites mal dormidas quando o filho adoecia e de quando ficava acordada ate tarde esperando o filho chegar seguro em casa.O seu rosto evidencia quanta preocupação ela viveu mas nos olhos ela ainda traz a mesma alegria,a mesma emoção,o mesmo orgulho de quando segurou pela primeira vez seu filho nos braços.O Senhor agora a recompensa com os netos que e a coroa da avó bem aventurada.

Fundo musical ( entram filho,nora e crianças e abraçam a mãe que os recebe com alegria.

Fim.

Teatro O verdadeiro Natal

Por Vilma Pires

Personagens:
Lilica

Aninha

Zezinho

Vovó Zita

Entra Aninha e Lilica conversando animadas
Lilica : Uau! Aninha,eu ganhei a bicicleta mais linda desse mundo.Ela é toda vermelhinha,da cor que eu mais gosto.E você o que ganhou?
Aninha: Ah,eu também to muito feliz.Ganhei o que eu queria:- Um celular todo rosinha e que é manero demais.Ele tem câmera,mp3,internet…tem um monte de coisa interessante.
Lilica: O que será que o Zezinho ganhou?Ele queria tanto ganhar um playstation…
Nesse instante entra Zezinho chorando
Aninha: O que foi Zezinho?Porque está chorando?
Zezinho continua chorando
Lilica: Fala logo Zezinho!Assim você nos deixa preocupadas.
Zezinho: É que…(choraminga),é que o Papai Noel não trouxe o meu Playstation que eu pedi..Aliás ele nunca traz o que eu peço…Acho que ele não gosta de mim!
Aninha: Então é isso!Zezinho,você ainda não sabe que o Papai Noel é apenas uma lenda?Ele não existe.
Zezinho: Existe sim!Todos os anos no Natal eu vejo ele nas lojas e nas ruas enfeitadas!E o meu pai me disse que esse ano ele ia me trazer o Playstation.O meu pai não ia mentir pra mim.
Lilica: Olha Zezinho,Papai Noel é uma invenção das pessoas.
Zezinho:Se ele não existe,então quem dá os presentes para as crianças?
LIlica: Não fica triste Zezinho…(Pausa),mas se você não ganhou o que queria foi porque seu pai não pode comprar.São os pais que compram os presentes.
Zezinho: Será?!(Pausa),hum…é… eu ouvi meu pai dizer para a minha mãe que talvez o Papai Noel não pudesse me dar o que pedi.É…ele falou que o Papai Noel tava sem dinheiro…(Fala pensativo).
Aninha: Olha Zezinho,se você não ganhou seu presente foi porque com certeza seu pai não tinha o dinheiro.Mas o Natal existe é para se comemorar o nascimento de Jesus que foi o maior presente de Deus para todo mundo.Espera…u conheço alguém que vai te explicar direitinho o que é o verdadeiro Natal.A vovó Zita sabe tudo sobre o verdadeiro Natal e vai te explicar.
Lilica:Puxa Aninha!Você é mesmo um gênio!Vamos chamar a vovó Zita então?
Aninha e Lilica começam a chamar vovó Zita
Vovó Zita! Vovó Zita! Vovó Zita!
Entra vovó Zita
Vovó Zita! O que foi crianças!Que berreiro é esse?
Aninha: Vovó,explica para o Zezinho que Papai Noel não existe e qual é o verdadeiro sentido do Natal.Ele está triste porque não ganhou nenhum presente e acha que o Papai Noel é que não gosta dele.
Vovó Zita: Sabe Zezinho,muitas pessoas não entendem o que é o verdadeiro Natal.Elas ficam preocupadas em fazer grandes ceias,enfeitar suas casas e comprar muitos presentes,mas se esquecem do aniversariante que é Jesus…
Vovó Zita: No Natal nos e que deveríamos oferecer a nossa gratidão como presente à Jesus,porque Ele nasceu,viveu e morreu numa cruz somente porque ama você,ama a mim,a Aninha,a Lilica…enfim Ele ama o mundo todo.Ele é nosso maior presente!Ele ama muito você Zezinho e deseja que você também o ame.
Zezinho:Puxa!Estou envergonhado com a minha atitude.É que eu pensei…(Pausa),eu não entendia direito o Natal,mas agora eu sei.O Natal é o aniversario de Jesus!Eu não vou mais ficar triste porque não ganhei o que queria Vovó Zita…agora eu entendi.
Vovó Zita: Fico feliz em ouvir você dizer que entendeu.Sabe o que você podia fazer Zezinho?
Zezinho: O quê?
Vovó Zita:Hoje a noite na nossa igreja vai ter uma cantata falando sobre o Natal;por que você não vem conosco assistir?
Zezinho:Gostei da idéia!Vou aproveitar e convidar meus pais para irem também,e vou contar para eles o que a senhora disse sobre Jesus e o Natal.E vou agradecer muito meu papai porque mesmo sem dinheiro me deu um presente.
Vovó Zita:Isso mesmo!O Natal deve ser um dia de muita alegria,porque é o dia que comemoramos o nascimento de nosso Salvador Jesus Cristo.
Aninha:Então vamos nos arrumar para o culto senão chegamos atrazados.
Vovó Zita:Então já para o banho crianças.

Fim!

Essa peça eu escrevi para ser usada com fantoches,mas nada impede que possa ser encenada com crianças ou mesmo  com adultos vestidos como crianças.

UMA GRANDE DESCOBERTA

Bruno Soares

(Use um cenário adequado)

QUECO: Oi, Miloca, quanta criança!

MILOCA: É mesmo! Que lugar é este?

QUECO: Eu acho que é … Sabe Miloca, eu, às vezes, fico pensando, pensando…
MILOCA: Pensando o quê, Queco?

QUECO: Pensando em quem fez a gente.

MILOCA: É mesmo, Queco, quem será que nos fez? Olha as flores, as árvores, como são lindas! Quem as poderia ter feito tão bonitas?

QUECO: Veja as borboletas das mais lindas cores.

MILOCA: Ai! Animais, burrinho…

(DESTACAR OS BICHOS QUE TIVER NO MOMENTO PARA APRESENTAR)

QUECO: Eu acho que alguém pintou tudo isso!

MILOCA: Ó Queco! Deixa de ser bobo! Ninguém poderia pintar a natureza de forma tão real. Olhe ali as pessoas! Mesmo que os cientistas pudessem fazer uma pessoa, não poderia dar a ela o fôlego de vida!

QUECO: Fôlego de vida? O que é isso?

MILOCA: É eles não poderiam fazê-la respirar assim, olha: Inspira, expira!

QUECO: É mesmo! Quem colocou o ar dentro da gente?

MILOCA: Vamos perguntar a vovó? Crianças, vamos chamar a vovó para nos ensinar? Vamos chamar todos juntos a vovó Zita!

QUECO: Vamos contar: um, dois, três, e dizer vovó zita.

(TODOS CHAMAM JUNTOS, E A VOVÓ ENTRA)

ZITA: Crianças, que barulheira é essa? Não precisavam gritar.

MILOCA; Vovó Zita, nós estamos querendo saber uma coisa muito importante e muito séria.

ZITA: Que coisa é essa, crianças?

MILOCA E QUECO: Nós queremos saber quem fez todas as coisas.

ZITA: Ora, que susto! Que bom que vocês estão se preocupando com isso agora. É sinal que está na hora de vocês conhecerem a verdade.

QUECO E MILOCA: A verdade?

QUECO: Conta, vovó! Conta!

ZITA; Tenho aqui um livro muito importante. Esse livro tem resposta para todas as perguntar da vida e soluções para todos os problemas.

MILOCA: Até para doença?

ZITA; Sim, até para doença!

QUECO: Que livro é esse, vovô?!

ZITA: Esse livro chama-se Bíblia. Quando vocês começarem a ler, aprenderão o que ele diz. Vou ler um trechinho da Palavra de Deus para vocês, em Gênesis 1.1: “ No princípio, criou Deus os céus e terra”.

QUECO: Epa! Não é que esse livro é bom mesmo? Vem tudo escrito direitinho. Quando eu crescer, quero aprender todinho.

MILOCA: Fica quieta, Queco! Fala mais, vovó, fala mais.

ZITA: Foi Deus quem criou todas as coisas. Vou cantar primeiro uma canção, ouçam!

(ZITA COMEÇA A CANTAR UMA MÚSICA QUE FALA SOBRE A CRIAÇÃO DE DEUS:)‘

Quem fez as lindas estrelas? Quem fez as lindas flores?”

QUECO E MILOCA: Que linda canção!

QUECO: Esse Deus é muito bom. Eu gosto dEle!

MILOCA: Como posso encontrar esse Deus, vovó?

ZITA: Um dia, há muitos e muitos séculos, Deus enviou seu filho, Jesus Cristo, para que através dEle nossos pecados fossem perdoados. Deus deu seu filho para morrer na cruz, a fim de que fôssemos salvos.

QUECO: Que é pecado, vovó ?

MILOCA: Você não sabe nada, hein, Queco!

QUECO: Você também não sabe.

(CRIAR UMA CENA DE DEBATES)

MILOCA; Sei, sim!

QUECO: Não sabe!

MILOCA: Sei, sim. Pecado é roubar, matar, brigar, xingar,e falar mentira.

ZITA: Muito bem, Miloca, pecado é tudo aquilo que desagrada a Deus. Brigas também. Jesus está preparando um lugar muito especial para todos aqueles que o acertarem como Salvador e reconhecerem que só Ele pode perdoar pecados. Somente esses vão encontrar com Deus no céu, um dia.

MILOCA: Vovó, eu preciso que Jesus perdoe os meus pecados.

QUECO: Eu também quero. Como posso dizer os meus pecados para Jesus?

ZITA: Jesus conhece o seu pecado. Ele sabe e vê tudo. Ele está aqui.

QUECO E MILOCA: Está aqui?!

ZITA: Sim. Ele está aqui. É como o vento. Nós não o vemos, mas sabemos que existe. A gente pode sentir. Portanto, para falar com Deus pode ser até em pensamentos. Jesus pode ler os nossos pensamentos. Converse com Deus. Ele ouve os nossos pedidos. Confesse a Deus os seus pecados.

QUECO: Então, eu não posso pecar nem no pensamento que Ele está vendo?

ZITA: Pois é, até em pensamento a gente pode estar pecando.

QUECO: Vovó, eu tenho muito que pedir perdão a Jesus.

MILOCA: Eu também estou precisando.

ZITA: Quem bom que vocês estão reconhecendo que são pecadores. No céu não vai entrar pecado nem pecadores. No céu não vai entrar pecado nem pecador. Nosso coração tem que estar branquinho, e só o sangue de Jesus pode limpa-lo.

QUECO: Obrigada, vovó, vou agora mesmo para o meu quarto conversar com Deus e pedir-lhe perdão.

MILOCA: Eu também. Hoje nós fizemos uma grande descoberta.

ZITA: Aprenderam, crianças? Então peça a Deus que limpe os seus coraçõezinhos. Tem um corinho que fala assim

Limpa o meu coração, Jesus (5x)

Limpa, limpa, limpa (bis)

Limpa o meu coração

Em busca do tesouro-Teatro cristão

Introdução: Pirata entra chorando.

PIRATA- Buá! Buá!Ááááá! Há como sou infeliz! Ninguém gosta de mim!Que vida triste! Buáááá! Eu queria tanto ser feliz!…

CRIANÇA-Um pirata chorando?…

-Oi seu pirata! Por que você está chorando?
PIRATA- Porque não sou feliz…
CRIANÇA- Sabe pirata triste não fique assim! A vida é tão linda! Como é que você é infeliz se é dono de tesouros e mais tesouros preciosos?
PIRATA-È verdade! Tenho muito tesouro, muito ouro, muita prata, muita pedras preciosas joias mil… Mas não sou feliz! Tenho um vazio tão grande dentro de mim. Sinto-me triste, vazio e mau!

-Sinto raiva, ódio, brigo, xingo… Falo mil mentiras. Há! Como sou infeliz!
CRIANÇA-Xi!… Você está mal mesmo! Você tem muitos tesouros, mas não tem o maior tesouro do mundo. O maior e mais precioso! Precioso porque este tesouro preenche o vazio do nosso coração, enche nossa vida de alegria e paz; afastando assim toda maldade!
PIRATA- É mesmo? mas que tesouro é este? onde posso encontra-lo? Seja onde for em alto mar nos confins da terra, buscarei este tesouro para mim. Nem que seja preciso cavar muitos dias. Eu quero este tesouro! Quero ser feliz! Quero acabar com esse vazio do meu coração! Eu não quero ser mau! Onde está o mapa?
CRIANÇA- Ora! Pirata chorão! Não precisa viajar e nem ter mapa algum! Não é preciso nem navio. nem pá e nem muito esforço.

Este tesouro é Deus! A fonte da vida e do amor! e da paz! Ele ama você e quer faze-lo feliz! E o caminho até a Ele é Jesus seu filho!

Ele mostrou com seus passos como devemos caminhar. E morreu numa cruz concedendo-nos o perdão de Deus. Nossos pecados, nossas maldades entristecem a Deus e nos afasta Dele.

PIRATA- Você falou em pecado? O que é pecado?
CRIANÇA- Pecado é tudo aquilo que deixa Deus triste! Matar a alegria de um sorriso, roubar a esperança de um sonho, brigar por causa de um doce… Também usar nossas mãos para machucar e ferir os outros… Deus é Santo! E o sangue de Jesus nos limpa de toda maldade e pecado! Sabe pirata chorão; é como se o pecado fosse uma doença!

Essa doença destrói nossa vida. E jesus é o medico que cura essa doença. Ele nos salva e nos cura, nos liberta. Você precisa ir ao encontro de Deus. Jesus é a ponte que nos leva a Deus. Ele disse:

“Eu sou o caminho a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai se não for por mim”. Você precisa conhecer Jesus!
PIRATA- Mas como posso conhece-lo? Eu quero conhecer Jesus!
CRIANÇA- Você está vendo a arca de tesouro de Deus? (Mostrar a Bíblia)
PIRATA- Arca de tesouro de Deus?
CRIANÇA-(Mostrar a Bíblia) Aqui estão todas as joias de Deus!
PIRATA-Joias de Deus?
CRIANÇA- Isto mesmo! Este livro aqui é a palavra de Deus! Leia e ouça a voz de Deus falar em seu coração, e creia Naquele que está falando com você!
PIRATA-(Pega a Bíblia) Obrigada amiguinha! Achei o maior tesouro do mundo. Hó que bom! (abre a bíblia e lê) “Lampada para os meus pés é a Tua palavra e luz para o meu caminho”.
CRIANÇA- Ei! pirata! Você precisa aceitar Jesus em seu coração. Deus está pedindo o seu coração! Na Bíblia está escrito: “Filho meu da-me o teu coração”. Ele quer transformar sua vida!
PIRATA-Hó! Eu quero sim! Deus eu aceito Jesus em meu coração. Aceito Jesus como meu Salvador e Rei! Amém!

Que alegria! Que Paz! Agora eu vou cavar esse tesouro e descobrir suas preciosidades para minha vida! Até logo amiguinha!
CRIANÇA- Tchau! Pirata! Nova vida!(Saem comentando)

-Que bacana! Ele encontrou o maior tesouro do mundo! Ele encontrou a palavra de Deus! A Bíblia!

Fonte: (Extraído da revista: O maravilhoso mundo dos fantoches de Mirly Cecílio de Oliveira )